terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Uma carta à Loucura

 
Preciso de uma dose de loucura. Alguém tem uma garrafa dessas sobrando em casa? Eu não consigo viver do que é palpável... Sempre tive bons amigos que me seguraram nas curvas dos meus devaneios. Me espanta o fato de que agora eles são os primeiros a me incentivarem a me jogar do precipício.

Sempre achei que no meu círculo social só apareciam pessoas exóticas... designers, poetas, putas, neuróticos... Sempre me diverti com eles. Putas também amam e loucos também podem ser boas pessoas. No fundo eu sou um pouco de tudo isso, sou um pouco de todos eles. A verdade é que ninguém é influenciado por aquilo que não temos uma "tendência" a nos tornarmos... Atraímos aquilo que nos faz bem. Ou não.

Deixei nas mãos dos meus amigos a minha loucura. Cada um guardou um pedaço dela pra que ela não me destruísse... Mas acho que eles acabaram bebendo um pouco dela também. Os vejo mais loucos que eu. Eles, que eram minhas rédias e meu cinismo diante de minhas próprias ilusões. Devolvam minha loucura! Vocês querem me empurrar guela abaixo o que um dia já foi meu. Mas eu não quero isto que vocês estão me devolvendo. Isto agora é de vocês.

2 comentários:

  1. Alininha, vc está impossível ultimamente.
    Bom vê-la publicando cada vez mais no seu blog e cada dia q passa, textos mais bem elaborados.
    Não sei o q se passa hj no seu coração, mas pelo texto e quantidade de publicações, arrisco que estaria amando... o amor é a maior loucura a q devemos nos entregar. Não sei se foi isso q vc quis passar... mas depois de publicado o texto não é mais seu e o sentido somos nós que criamos agora...
    Lembro de suas peças de teatro da 6ª série (ou era 5ª?) dos poemas desde a 7ª série...
    Abraço de um velho amigo distante que perdeu seu contato...

    ResponderExcluir
  2. Uow! Obrigada pela "crítica positiva" rs
    Gostei da sua visão de que no momento em que concebo o texto o sentido dele já não é mais meu... é isso mesmo, cada um vai interpretá-lo de acordo com suas referências...
    Mas é preciso diferenciar o autor do eu lírico. Não sinto necessariamente o que meu eu lírico expressa...
    Nossa... eu não lembrava das peças de teatro, aliás, na minha próxima viagem à MG procurarei isso... rs
    Já que me encontrou deixe contato...
    Abs,

    ResponderExcluir

Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License.