domingo, 3 de abril de 2011

Campanha nem lá nem cá

A todos campanhenses que saíram de casa

Foto por Radamés Ajna da Silva
Meu maior erro foi sair de casa trazendo fotos. Me agarrei às lembranças por achar que elas me diriam quem eu sou. Mas não, justamente por elas, não sou ninguém. Eu precisava ter vindo vazia, nua, aberta. Agora não sou ninguém, nem aquela nem essa. Nem mineira, nem paulistana. Uma mistura dos dois e ao mesmo tempo nada. Tinha que ter vindo sem nada, como um cão enxotado de casa. Ter morrido na partida e nascido na chegada. Mas vim meio viva, meio morta. Viva de alegria pelo novo, viva de esperança pra encontrar um lugar melhor. Viva de anseios, viva de medo.

E essa cidade mesmo cinza, sem estrelas, sem aquele cheiro de mato, não me assusta mais, na verdade nunca me assustou... Eu vim pra cá foi pra brigar mesmo! O que me incomoda mais aqui é a poluição sonora... Nem é a sujeira das ruas, o ar impuro, o rio podre ou o trânsito caótico... É a falta de silêncio mesmo... Essa cidade às vezes me sufoca, parece que quer me expelir. Eu resisto, luto bravamente... Fico. Mas às vezes sou eu quem quero fugir... Mas vou fugir pra onde? Eu já não estou em lugar nenhum... Estou sempre no meio da estrada, no meio do caminho... Perdida entre lá e cá. É uma sensação de estar perdida no limbo. Ou eu vivo o ontem ou eu vivo o amanhã. O hoje nunca existe...

Mas vim meio viva, meio morta. Morta de saudades. Morta de sonhos. Às vezes mato a saudade, ou melhor, me mato. Porque pra matá-la, só acabando comigo ou ela não voltaria assim que chego do outro lado da estrada. Saudade tem quantas vidas? Ela sempre ressuscita... Mas o que me incomoda mesmo não é a saudade de cá ou de lá, é essa vontade de estar em dois lugares ao mesmo tempo. De me dar para os dois e não estar em nenhum. O que me incomoda mesmo é a certeza de que qualquer que seja o lado, na outra margem sempre haverá reclamação. E eu fico ali suspensa no limbo, nem lá nem cá...

12 comentários:

  1. Aline, mto bom!
    Adorei as imagens que vc criou e o ritmo pp do primeiro parágrafo está espetacular!
    Linda foto tbm.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Amanda,
    Essa foto é da rua principal da minha cidade :D
    Foi tirada por um amigo meu de lá q tbm está "exilado" aqui em sp rs
    Obrigada! Bjins

    ResponderExcluir
  3. É o q eu tb sinto. "nem lá, nem, cá"

    ResponderExcluir
  4. Gostei bastante da maneira que escreveu, das sentenças curtas. Acho que assim o texto ficou fluido, não cansativo.

    Também me identfiquei pacas com o tema, por que vim de de uma cidade no cu de Minas Gerais e Sr. Limbo é o meu segundo nome. =/

    Mas...

    Como a gente já discutiu, acho que você ainda está apegada a textos de valor muito subjetivo. Esses ultimos descambaram mais pra poesia em prosa na verdade.

    Ainda quero ver você treinar uma narrativa propriamente dita... com personagens, enredo... etc...

    PS: E se der me ajuda a fazer o meu blog novo, por que quero postar as minhas! HAHA.

    ResponderExcluir
  5. Eu estou ensaiando o treino rs
    Não sou mto boa em prosa, ela sempre tente a uma poesia...
    Enfim... To com uns rascunhos aqui... em breve vc verá!! :)
    Sobre seu blog vamos falando por email :D

    Abs,

    ResponderExcluir
  6. Foto bonita... A perspectiva é boa... "se arraste no limbo..."

    ResponderExcluir
  7. Oi Gostaria que conhecesse o meu blog de textos,obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  8. Ah, eu nasci aqui em São Paulo e me sinto de qualquer lugar, menos daqui ! É uma cidade estranha,não tem muito a ver comigo...nem de dia nem de noite.
    O limbo é um lugar passageiro, não dura muito tempo . E um dia vc vai estar em algum lugar diferente e vai perceber que graças ao limbo pode estar em qualquer lugar...
    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. Nossa, muito boa: "graças ao limbo pode estar em qualquer lugar"

    Obrigada pela visita meninas!

    ResponderExcluir
  10. Adorei esse! É incrivel... Muito bom mesmo

    Camila

    ResponderExcluir
  11. Obrigada Camila!

    Sinta-se a vontade pra comentar :D

    ResponderExcluir

Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License.