sexta-feira, 17 de junho de 2011

Mãe



Sabe aquele cheiro que sobe da máquina de algodão doce? De açúcar quente? Cheirava isso. Nessa época não se atentava em definir as coisas. Não entendia bem as coisas. Não definia nada, não conhecia o conceito de nada. Eram apenas sensações e verdades. Ela cheirava algodão doce. Pensava que nuvens eram doces também. O sorriso dela lhe fazia cócegas. Descobriu a primeira forma de amor. A única forma altruísta.

Amor é algo que se constrói com o tempo e pra que ele aconteça é preciso que de alguma forma as pessoas sejam feitas da mesma substância. Uma substância indefinida, impalpável. É uma substância tão abstrata que mesmo que a pessoa deixe de existir, na sua mente ou no mundo, a sensação é permanente, como uma tatuagem dentro de si. Um amor por si próprio que reflete numa imagem diversa no mundo. Você deixa de se amar quando ele não tem mais onde refletir. Temos de volta aquilo que damos ao mundo.

Ver um amor crescer é a única experiência que vale a pena nessa passagem. Existe apenas um motivo pelo qual existimos, o motivo que desconhecemos, que não mensuramos e não definimos. Todo o resto é mentira. Apenas o que você sente é uma verdade. Verdade mutante, mas verdade. O cheiro do algodão doce, é mais que uma verdade ou uma sensação, é um fato. O cheiro do açúcar quente quando sobe da máquina te eleva aos céus e te põe pra dormir nas nuvens. Comer o algodão doce, que de tão doce, repuxa suas bochechas por dentro, te provoca cócegas. Uma felicidade apenas por degustar um algodão doce. Só isso é verdade. Todo o resto é mentira. Tudo que é passível de definição e conceitos é mentira. Se perde no tempo e não faz sentido pra quem não o vive. Só o que sentimos é um fato, só um fato é verdade: as pessoas só precisam de amor.

Só é possível aprender a amar com uma pessoa. Que você reconhece o cheiro de olhos fechados. Que te acalma nos piores momentos com qualquer palavra, porque o que importa é a voz, e não as palavras. Que não precisa dizer nada, sequer te tocar, mas que você se sente protegido apenas por estar perto. E por mais que esteja distante de você no mundo, reflete o seu amor, a sua esperança e a sua expectativa com relação a tudo. A máquina de algodão doce. O doce que nunca amarga. O único doce que é tão macio e quente como de onde você veio, o único lugar que você quer estar em qualquer extremo, seja de felicidade ou de tristeza. A literal definição de partilha, porque somos um só.

E o que fazer quando sentimos isso? Quando procuramos definições e elas nos levam a uma única palavra: amor? É hora de cheirar como a algodão doce...